Domingo, 15 de dezembro de 2019
GOIÂNIA-GO
{{tempo.temperatura}}°

Política

Cenário para 2020 começa a tomar forma

Postado em: 18-05-2019 às 08h35
Buscando espaço para disputar a prefeitura de Goiânia, Dra. Cristina está insatisfeita com PSDB e pode ir para o PDT

Dayrel Godinho*

A vereadora Dra. Cristina (PSDB) está tentando viabilizar sua candidatura para o pleito de 2020. No entanto, sem espaço para concorrer pelo partido tucano, que ainda não tem um nome certo para a disputa, a vereadora está buscando outro partido. 

É nesta busca por uma viabilização de sua eleição que o PDT entra, com a possibilidade de acolher sua candidatura. De acordo com a vereadora, o nome dela está disponível para o pleito e confirmou que pretende sim, encontrar um partido que apóie suas idéias para 2020. “Eu seria omissa, se não colocasse o meu nome à disposição do eleitor”, afirmou a vereadora, que se apresentou como bastante ligada às pautas da saúde e criticou a atual gestão neste quesito, que houve uma “desconstrução” na área.

“Política não é um desenrolar fácil. Serão eleições muito complexas, e as chapas serão muito importantes para eleger vereadores”, explicou a vereadora, que acrescentou que o nome dela está à disposição [dos eleitores] para a prefeitura. Portanto, de acordo com a vereadora, o intuito é apostar no melhor nome, para desbancar o atual prefeito que, para ela, é o candidato a ser batido.  “Acho que ele [Iris] vai ser candidato à reeleição. A idade não vai pesar para ele não”, se referindo aos 87anos que Iris fará ano que vem. 

Questionada sobre uma união entre outros políticos em prol de uma candidatura única ela despistou sobre o assunto, mas afirmou que tem mantido conversas com o PSB, que deve bancar a candidatura do deputado federal Elias Vaz (PSB). “Eu acho que é muito difícil [haver uma chapa única], porque os partidos que têm estas pautas progressistas têm que fazer uma reflexão [para chegar a um nome de consenso]”, concluiu.

Saída do PSDB

Com ambição de assumir a prefeitura, ela disse que conversou bastante com o recém eleito presidente do diretório do partido em Goiás, Jânio Darrot, que indicou que há uma intenção do partido em lançar um candidato, “mas isso foi dito nas eleições passadas” comentou a vereadora, ao se lembrar da candidatura de Vanderlan Cardoso (então no PSB) em 2018. Procurando um novo partido para bancar sua candidatura, ela disse que conversou com membros do PSB e do Cidadania e, claro, do PDT.

Cristina enfatizou que sua insatisfação é principalmente uma questão “partidária” que, para ela, “é uma questão muito importante”. Insatisfeita com a possibilidade de que o PSDB pode se unir ao DEM, caso o grupo do prefeito de São Paulo, João Dória tome a direção do partido no próximo dia 31, ela disse que o partido está se tornando um ambiente bastante conservador. “Estou no partido por causa da questão social. Por causa do ‘S’ do PSDB [Partido Social-Democrata Brasileiro]”. 

Para ela, o PSDB está apontando para um caminho que não tem o mesmo “perfil” da vereadora. “Jamais mudaria de partido por questão de voto, sou super aconselhada. Não sairia por este tipo de questão, mas o caminhar partidário é bastante importante”, disse a vereadora que acrescentou que o ambiente do partido é bastante conservador. “Tenho uma relação bastante boa com os integrantes, mas se houver uma alteração, não me contempla não”, concluiu. 

PDT

Segundo fontes pedetistas, a vereadora tem conversas bastante avançadas com o partido, porém não há nada certo. De acordo com fontes ligadas ao deputado estadual Karlos Cabral, que publicou foto recentemente com a vereadora em suas redes sociais, ela se reuniu com líderes do partido recentemente, inclusive com o aval de Carlos Lupi, presidente nacional do partido. A deputada federal Flávia Morais e o deputado estadual Karlos Cabral, estão articulando para a filiação de Cristina, que não desmentiu a possibilidade.

De acordo com uma fonte ligada ao deputado estadual, a deputada reúne algumas características necessárias para participar do quadro partidário, e valorizou o passe dela como um quadro bastante importante para a Capital. O pedetista acredita que Cristina tem pautas parecidas com as do partido, e exemplificou a defesa dos movimentos sociais e da participação popular como pautas compartilhadas entre os dois.

Outros nomes cotados

Há a possibilidade de que Iris Rezende (MDB) seja candidato à reeleição. O prefeito afirmou não ter mais intenção, porém é bastante lembrado pelos emedebistas. Inclusive, articulou a substituição do líder do seu governo na Câmara Municipal, substituindo Tiãozinho Porto (PROS) por Oséias Varão (PSB). Sinal de que o prefeito estaria buscando alguém com um perfil mais ativo na tribuna, e não mais um parlamentar articulado. A sinalização de Iris por meio do seu ato também é de que o prefeito está buscando conversar com as igrejas evangélicas, já que seu novo líder é ligado a Igreja Assembleia de Deus. (*Especial para O Hoje)

 

Seja o primeiro a comentar

Fazer comentário

Acesse sua conta para comentar, é rápido e gratuito.

Inscreva-se na newsletter e receba

conteúdo exclusivo

Digite aqui o que deseja pesquisar