17 de dezembro de 2018 - segunda-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Política
Cenário Complexo
09/03/2018 | 06h00
Lúcia prevê campanha difícil
Para senadora do PSB, muito mais que definir chapa majoritária o que está em jogo é a unidade da base aliada para as eleições deste ano

Venceslau Pimentel*


A senadora e presidente estadual do PSB, Lúcia Vânia, disse ontem que, muito mais do que definir nomes para compor a chapa majoritária governista, o que está em discussão é a unidade da base aliada para as eleições deste ano, diante de um cenário que se apresenta complexo.

O governador Marconi Perillo (PSDB) se desincompatibiliza do cargo no início de abril, quanto, então, Zé Eliton (PSDB) assume o comando do Estado até dezembro. Pré-candidato à sucessão estadual, ele tem a responsabilidade – embora dividida com os aliados – de dar prosseguimento ao projeto político hegemônico em Goiás que teve desde 1999, ainda denominado de Tempo Novo, agora em voo solo.

Na semana passada, Lúcia Vânia sacramentou a continuidade da aliança com o governo, em reunião com Marconi e Eliton, no Palácio das Esmeraldas. Além de ter recebido a garantia de participação na chapa majoritária, em seu projeto de reeleição, ela e o PSB foram convidados para compor com a gestão de Eliton, na indicação de cargos, por exemplo.

Mas ao mesmo tempo em que a senadora fechava questão com o governo, outro aliado de primeira hora, o senador e presidente do PP, Wilder Morais, ensaiava voo para uma composição com o deputado federal e presidente estadual do MDB, Daniel Vilela, pré-candidato a governador. Há ainda o fator Vilmar Rocha, presidente do PSD, que cultiva projeto de disputar novamente o Senado.

Ao ser indagada sobre a fidelidade com o projeto de governo de Marconi, a senadora disse considerar que as divergências são construtivas, na medida em que os interesses pessoais não se sobrepõem aos da sociedade.

“Quando você pertence a um grupo e, nesse grupo, mantém a sua independência, mantém os seus pontos de vista, mantém a sua coerência, você é capaz de permanecer, porque, na verdade, é muito difícil permanecer fiel àqueles que não discordam, aqueles que vivem à sombra, aqueles que se realizam com as facilidades”, avaliou. “Mas aquele que luta, que faz parte, que integra, que discorda, que debate, esse sim pode desempenhar a fidelidade”, arrematou.


Dificuldades

Em face da necessidade de ajustes na base aliada, Lúcia Vânia pontua que tem se discutido como é que a base vai se preparar para enfrentar a campanha. “Uma campanha diferente, uma campanha difícil, uma campanha que precisa muito de unidade e precisa também daquilo que se chama a renovação”, destacou em entrevista, nos Jardins do Palácio da Esmeralda, em evento coordenado por Marconi.

“Eu costumo dizer que renovação ela tem que ser entendida como aquelas pessoas que guardam para si princípios e valores que são capazes de abrigar inovação, mudança”, disse. “Isso é fundamental, porque inovação não está na idade, não está na forma de conduzir sua vida pessoal”. 


Senadora vê esforço de Eliton por alianças

A senadora comentou também sobre o empenho do vice-governador Zé Eliton em agregar o maior número de partidos para dar sustentação à sua candidatura. “Acredito que o José Eliton está trabalhando intensamente para formar uma aliança que lhe dê condições, em primeiro lugar, de governar bem”, frisou. 

“Eu acredito que o sucesso do doutor José Eliton começa a partir de abril, quando ele assume o governo e mostrará a sua capacidade de gestão, a sua capacidade de articulação e, acima de tudo, a sua capacidade de interpretar os anseios da sociedade nesse momento”.

Para Lúcia Vânia, o vice tem clareza que a sociedade, hoje, anseia e está inquieta, desejando serviços públicos de qualidade e austeridade no gasto público. “Todos nós sabemos disso, e eu tenho certeza que o José Eliton vai saber interpretar muito bem”. (*Especial para O Hoje) 


Na convenção do DEM, Caiado anuncia que disputará governo

Durante a convenção nacional do Democratas, nesta quinta-feira em Brasília, o senador Ronaldo Caiado anunciou que será candidato pela legenda na disputa ao governo de Goiás. Durante o evento, o partido lançou também a candidatura do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, à Presidência. 

"Estamos aqui para mostrar que o partido tem musculatura e que quando disseram que seríamos 'extirpado', nós resistimos. Estamos aqui e podemos dizer que contribuímos para que o Brasil não virasse uma Venezuela e demos espaço para que a democracia brasileira resistisse. E hoje o Democratas tem o protagonismo para continuar a ajudar o país", afirmou Caiado para a plateia, no auditório Nereu Ramos, na Câmara dos Deputados.

O pré-candidato foi recebido com claro sinal de apoio dos presentes, aos gritos de “governador”, sendo saudado também pelos principais líderes do partido em seus discursos e destacado como referência para o Democratas nas eleições de 2018. "Aprendi e assumi o pressuposto básico de um político mencionado aqui pelo nosso grande senador Ronaldo Caiado que é ter coragem para assumir e defender as suas posições", destacou o ministro da Educação, Mendonça Filho.

Caiado também fez uma citação ao estadista britânico Winston Churchill, ao defender que a coragem foi a maior qualidade do partido nos últimos anos. "Eu faço das palavras deste grande político que é o Churchill para lembrar que 'a coragem é a primeira das qualidades humanas, porque é a qualidade que garante as demais'", destacou.

Depois do evento, Maia falou à imprensa que sua candidatura vai “decolar” apesar de dados recentes atribuírem a ele apenas 1% das intenções de voto. Segundo afirmou, não há “plano B” no partido. “Não tenho dúvida nenhuma de que a nossa pré-candidatura estará no segundo turno e sairemos vitoriosos”, destacou. “Minha candidatura vai decolar”, acrescentou.

O senador José Agripino, que foi substituído na presidência do DEM pelo prefeito de Salvador, ACM Neto, elogiou Rodrigo Maia durante discurso. “Ele tem a capacidade de conversar com todos. Escolhe os dele, mas conversa com todos”, mencionou Agripino. 

Ronaldo Caiado concluiu seu discurso manifestando apoio ao projeto do Democratas em lançar a pré-candidatura de Rodrigo Maia à Presidência da República e confiou na credibilidade do partido para apresentar uma nova proposta para o país. “O que queremos é livrar os brasileiros sequestrados pela corrupção, acuados pelas facções criminosas que afrontam o estado. Temos credibilidade moral e intelectual para ajudar a resgatar a esperança do povo brasileiro. E mais: temos coragem. Vamos mudar o país”, finalizou. (Lucas de Godoi, Especial para O Hoje) 

Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)