23 de maio de 2018 - quarta-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Mulheres
Aqueles dias
25/11/2017 | 09h35
Brasileiras passam pelo menos três meses do ano com TPM
Estudo da Unicamp revela que cerca de 80% da população feminina sofre ou já sofreu com os efeitos da tensão pré-menstrual

 A duração da tensão pré-menstrual (TPM) varia: algumas mulheres vivem apenas dois “daqueles dias”, enquanto outras sofrem até dez. Mas especialistas concordam que a mulher brasileira vive, em média, sete dias ao mês com ela. Multiplique isso por doze meses e pasme – a danada toma até 84 dias do ano. Estudos conduzidos pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) reforçam que a brasileira está entre as mulheres mais impactadas pela tensão pré-menstrual, já que mais de 80% delas já experimentaram seus sintomas.

 

Embora a maioria dos casos seja considerada saudável, uma parte da população sofre grandes perdas na qualidade de vida devido à TPM. Estudos indicam que 11,63% das faltas de mulheres ao trabalho se devem aos efeitos da tensão pré-menstrual. “De 3% a 8% delas têm sintomas tão intensos que exigem mudanças em suas atividades diárias, comprometendo a rotina, as relações interpessoais e a produtividade”, afirma a ginecologista e obstetra Thalita Russo Domenich, da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo.

 

Os sinais mais comuns são cólicas, irritabilidade, dores de cabeça e nas mamas, inchaço abdominal e a temida acne. A especialista lembra que cada mulher pode apresentar um grupo específico de sintomas, já que existem mais de 200 listados. “O importante é atentar-se ao impacto que eles trazem ao dia a dia. Se a mulher deixa de sair com os amigos, precisa faltar no trabalho com frequência ou muda sua rotina toda vez que está de TPM, é sinal de que é preciso procurar um médico”, orienta.

 

A boa notícia é que, atualmente, existem soluções para amenizar ou mesmo acabar com os sintomas da TPM, trazendo mais qualidade de vida à mulher. Além do tratamento, que pode ser indicado pelo ginecologista, algumas mudanças no estilo de vida também podem ajudar a combater os incômodos desse período. Confira algumas dicas abaixo!

 

Procure seu médico

Se os sintomas passarem dos limites, vá ao ginecologista. Ele poderá avaliar, de acordo com o seu perfil, a possibilidade de administrar um anticoncepcional. A contracepção contínua, por exemplo, ajuda na estabilização dos níveis hormonais, combatendo os sintomas da TPM e trazendo mais tempo para você curtir a vida.

 

Escolha bem os alimentos

Priorize a ingestão de fibras e nutrientes encontrados em frutas, grãos, legumes e verduras. Evite consumir cafeína, alimentos com gordura saturada e sódio, geralmente encontrados em produtos industrializados. Também passe longe de bebidas alcoólicas nesse período.

 

Mexa-se mais

Pratique exercícios regularmente, principalmente os aeróbicos, que liberam endorfinas, resgatando a sensação de bem-estar e aliviando a irritabilidade típica da TPM.

 

Durma direito

Uma noite mal dormida já pode ser o suficiente para aumentar o estresse e a ansiedade. Por isso, a boa qualidade do sono é importante para regular o humor, principalmente quando os hormônios estão à flor da pele.

 

Pratique o que te faz bem

Escolha um dia para sair da rotina e fazer aquilo que mais gosta. Adotar hobbies também pode ajudar a combater os efeitos psicológicos da TPM. Meditação, aulas de dança e esportes são algumas opções.

 

Mantenha-se hidratada

Beba muita água, para estimular o trabalho dos rins e evitar o inchaço que ocorre nesse período. Também vale consumir frutas ricas em água, como melancia, melão e abacaxi, entre outras. Chás sem cafeína também são uma boa pedida. 

(Foto: Reprodução)

Tópicos:  TPM,   Mulheres,   Brasileira

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)