Sexta-feira, 22 de novembro de 2019
GOIÂNIA-GO
{{tempo.temperatura}}°

Economia

Gasolina sobe e atinge o maior índice de inflação do país em Goiânia

Postado em: 09-10-2019 às 12h40
Após três meses de queda, gasolina registra IPCA de 2,8% em setembro, o maior índice de inflação do país. Foto:Agência Brasil

Aline Bouhid

Após três meses de queda, gasolina registra IPCA de 2,8% em setembro em Goiânia. Este é o maior índice de inflação do país. Na contramão do resultado total, já que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado o oficial do país, registrou deflação (queda de preços) de 0,04% em setembro deste ano. A taxa é menor que as inflações de 0,11% de agosto último e de 0,48% de setembro do ano passado. Os dados foram divulgados hoje (9) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A inflação oficial do país acumula 2,49% no ano e de 2,89% em 12 meses.  

O IBGE mostra também que etanol também apresentou alta no mês (5,83%) que, assim como o índice da gasolina, foi o maior aumento para o mês desde setembro de 2008 (quando o IPCA registrou 8,02% para o etanol e 4,88% para a gasolina). O óleo diesel que estava em queda nos últimos três meses, também apresentou alta em setembro (1,99%). Com isso, o grupo dos Transportes apresentou a maior variação entre os grupos investigados, com 1,13% de alta. 

A segunda maior alta entre os grupos investigados veio de Saúde e cuidados pessoais que atingiu em Goiânia inflação de 1,03%, a maior taxa dos últimos 40 meses. Os destaques ficaram com artigos de maquiagem (9,74%, a maior alta desde julho de 2014, 10,16%) e perfume (5,15%, o maior aumento desde março de 2002, 6,66%).

IPCA

O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) tem como população objetivo às famílias com rendimento monetário de 01 a 40 salários-mínimos, qualquer que seja a fonte, o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) tem como população objetivo às famílias com rendimento monetário de 01 a 05 salários-mínimos, e cujos chefes são assalariados. A abrangência da pesquisa atinge as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador, Vitória e Curitiba, além de Brasília, Campo Grande e Goiânia. 

Seja o primeiro a comentar

Fazer comentário

Acesse sua conta para comentar, é rápido e gratuito.

Inscreva-se na newsletter e receba

conteúdo exclusivo

Digite aqui o que deseja pesquisar