17 de outubro de 2018 - quarta-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Cultura
Carnaval do Rio
14/02/2018 | 17h21
Com desfile marcado por tom politizado, Beija-Flor é campeã
Críticas à corrupção e à exclusão social foram alguns dos temas abordados pela Escola de Nilópolis. Outras escolas seguiram tendência

O Carnaval do Rio de Janeiro já conhece a escola de samba campeã do grupo especial. Em duas noites marcadas pelos protestos, a Beija-Flor chocou o público em um desfile marcado por interpretações do caos político e social que vive o país.

Na avenida, estiveram encenações da violência no Rio com crianças em caixões e mães chorando por filhos policiais assassinados.

O resultado ficou impresso no público, que mesmo após o fim do desfile, que começou com certo atraso, recebeu aplausos do público - e dos próprios jurados. 

A corrupção no Brasil foi outro tema posto em voga, apresentando entre outras esquetes um carro alegórico com presidiários com telefones celulares. Campeã em 2003, quando homenageou o então presidente Lula, este foi o primeiro desfile da agremiação que abordou questões políticas desde então.

Tendência

Outras escolas também deixaram em evidência os problemas sociais enfrentados pela população brasileira. Com o Enredo "Com Dinheiro ou Sem Dinheiro, Eu Brinco", a Mangueira fez duras críticas ao prefeiro do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, representado na avenida por um Judas.

A Paraíso do Tuiuti, por sua vez,  trouxe para o debate questões relacionadas à escravidão, que em 2018 completa 130 anos desde seu fim. Nas alegorias, um grupo de escravos traficados da África e uma imagem gigante do presidente Michel Temer, trajado de vampiro.  

Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)